Damos o nome de correlação verbal à coerência que, em uma frase ou sequência de frases, deve haver entre as formas verbais utilizadas. Ou seja, é preciso que haja articulação temporal entre os verbos, que eles se correspondam, de maneira a expressar as ideias com lógica. Tempos e modos verbais devem, portanto, combinar entre si.

Vejamos este exemplo:

  • · Seu eu dormisse durante as aulas, jamais aprenderia a lição.

Parece complicado – mas não é.

Para tornar mais clara a questão, vejamos o mesmo exemplo, mas sem correlação verbal:

  • · Se eu dormisse durante as aulas, jamais aprenderei a lição.

Temos dormir no subjuntivo, novamente. Mas aprender está conjugado no futuro do presente, um tempo verbal que expressa, dentre outras ideias, fatos certos ou prováveis.

CORRELAÇÕES VERBAIS CORRETAS:

 

A seguir, veja alguns casos em que os tempos verbais são concordantes:

 

  • ·  Presente do indicativo + Presente do subjuntivo:

Exijo que você faça o dever.

  • ·  Pretérito perfeito do indicativo + Pretérito imperfeito do subjuntivo:

Exigi que ele fizesse o dever.

  • ·  Presente do indicativo + Pretérito perfeito composto do subjuntivo:

Espero que ele tenha feito o dever.

  • ·  Pretérito imperfeito do indicativo + Mais-que-perfeito composto do subjuntivo:

Queria que ele tivesse feito o dever.

  • ·  Futuro do subjuntivo + Futuro do presente do indicativo:

Se você fizer o dever, eu ficarei feliz.

  • ·  Pretérito imperfeito do subjuntivo + Futuro do pretérito do indicativo:

Se você fizesse o dever, eu leria suas respostas.

  • ·  Pretérito mais-que-perfeito composto do subjuntivo + Futuro do pretérito composto do indicativo:

Se você tivesse feito o dever, eu teria lido suas respostas.

  • ·  Futuro do subjuntivo + Futuro do presente do indicativo:

Quando você fizer o dever, dormirei.

  • ·  Futuro do subjuntivo + Futuro do presente composto do indicativo:

Quando você fizer o dever, já terei dormido.

Correlação dos Tempos Verbais

Eis as combinações mais frequentes com o Modo Subjuntivo: Presente; Pretérito Imperfeito; o Futuro do Presente e o Mais-que-Perfeito Composto.

Emprega-se o Presente do Subjuntivo na oração subordinada em correlação com um Indicativo Presente e o Futuro do Presente do Modo Indicativo na oração principal.

Exemplos: Solicito que viaje logo. Solicitarei que viaje logo.

 Emprega-se o Pretérito Imperfeito do Subjuntivo na oração subordinada em correlação com um tempo passado do Modo Indicativo na oração principal.

Solicitei que viajasse logo. Solicitava que viajasse logo. Solicitara que viajasse logo. Solicitaria que viajasse logo.

 Usa-se o Futuro do Presente do Subjuntivo na oração subordinada em correlação com o Futuro de Presente do Indicativo na oração principal.

Se você viajar, solicitarei imediatamente sua dispensa.

 O Mais-que-Perfeito Composto do Subjuntivo é formado com o auxiliar (ter ou haver) tirado derivado do Imperfeito do Subjuntivo mais o verbo principal, que se está conjugando. Usa-se quando se quer indicar uma ação passada anterior a outra ação também passada. Aponta-se uma ação que ocorreu antes de outra ação passada.

Emprega-se o Mais-que-Perfeito Composto do Subjuntivo na oração subordinada que tem na oração principal um Pretérito Imperfeito do Indicativo ou um Futuro do Pretérito Composto do Modo Indicativo.

Esperava que já tivesse viajado ontem.  Teria pedido permissão, se houvesse viajado ontem.

Outros exemplos de combinações com o Modo Subjuntivo no Presente, no Pretérito Imperfeito, no Futuro do Presente e no Mais-que-Perfeito Composto na oração subordinada:

a) Com o Presente do Subjuntivo (oração subordinada) – Presente do Indicativo (na oração principal):

Peço que não minta novamente para mim.

b) Com o Presente do Subjuntivo (oração subordinada) – Futuro do Presente do Indicativo (na oração principal):

Pedirei que conte honestamente toda a verdade

c) Com o Pretérito Imperfeito do Subjuntivo (oração subordinada) – Tempo passado do Modo Indicativo (na oração principal):

Apelei que escrevesse. Pedia que falasse. Solicitara que permanecesse conosco. Gostaria que não reclamasse tanto!

d) Com o Futuro do Presente do Subjuntivo na oração subordinada em correlação com o Futuro de Presente do Indicativo na oração principal.

Estarei disponível, quando você quiser.

e) Com o Mais-que-Perfeito Composto do Subjuntivo na oração subordinada e o Pretérito Imperfeito do Indicativo ou um Futuro do Pretérito Composto do Modo Indicativo na oração principal.

Desejava que houvessem feito uma boa prova. Teria feito uma grande festa, se tivessem passado no concurso.

 

About these ads